sábado, 28 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje

Pelo mundo
No ano de 1808, foi assinada por D. João VI, príncipe regente de Portugal, a Carta Régia de abertura dos portos brasileiros às nações amigas.
Em 1986, o mundo assistiu a tragédia de explosão da nave espacial Challenger após 1min12s de lançada ao espaço. O resultado foi a morte de todos os ocupantes. 

Na PM do Pará 
Em 1982 - os Capitães PM Manoel de Oliveira Pereira e João Paulo Vieira da Silva seguiram para o Estado de Minas Gerais a fim de cursar o CAO PM na PM mineira. 
Em 1994 - O 2º Tenente PM Hilton Celso Benigno de Souza foi designado como instrutor itinerante a fim de ministrar instruções para o CFSD PM 94, na disciplina Noções Básicas de Direito. O Aspirante à Oficial PM Márcio Rayol da Silva foi classificado no 18° BPM, por conclusão do CFO PM. O 2° Tenente PM Hylton Loris Souza Figueira foi nomeado Secretário da Comissão de Promoção de Praças. Foi concedida a Láurea do Mérito Pessoal à Capitã PM Ruth Léa Costa Guimarães, 3° SGT PM Oene Rodrigues dos Santos Ferreira, 3º SGT PM Izaias Borges Rodrigues, ao CB PM Rudney Vieira de Souza, e aos Soldados PM Rivadávia Alves dos Santos, Luiz Nazareno Souza de Melo e Maria Luzinalda da Silva.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Os militares: da defesa do Estado ao despertar do movimento grevista (PARTE I).

A história do Brasil foi sempre marcada pelo esforço militar em defender o Estado, seja o Estado português na ocupação do território brasileiro no período colonial, seja o Estado monárquico que necessitou sufocar as resistências do período regencial, ou mesmo, e principalmente, no período republicano em que as forças militares estiveram no palco diversas vezes.
Major Miguel Costa
Quase sempre os militares e, principalmente, os policiais militares foram os defensores da ordem, da legalidade, dos governantes e da elite política dominante. Contudo, em momentos de crise, a mesma força dócil soube sobrepujar as elites e firmar-se como um elemento de estabelecimento de uma nova ordem, pensada como mais justa e voltada aos anseios populares.
Historicamente, quanto mais mal pagos e mais acossados os militares estão, desta forma, mais sensíveis aos apelos de mudança, reforma ou até revolução. Daí tivemos a luta dos marinheiros para suprimir os castigos físicos na "Revolta da Chibata", a participação de militares do Exército na derrubada da "política dos governadores", na chamada República Velha, onde os militares de baixa patente, principalmente, os tenentes, capitães e majores cerraram fileiras com os seguimentos mais progressivos da sociedade nacional e se lançaram na "Revolta Tenentista".  Bons tempo aqueles!!!

Nesse contexto de revolta contra o sistema político vigente , figuras como o Tenente Eduardo Gomes, o Capitão Luis Carlos Prestes, o Major Miguel Costa tiveram que dar "a cara a tapa" e quebrar os pilares da disciplina e da hierarquia, na defesa de uma ordem social mais justa. E, com certeza, nesse embate a questão salarial pesava, tanto assim que as forças militares federais não tiveram como frear as revoltas da caserna.
A desunião infelizmente cumpriu seu papel nesse movimento, pois os interesses pessoais dividiram as forças antes unidas e, após o golpe de 1930, vê-se a divisão dos militares entre INTEGRALISTAS, os componentes da ANL e os COMUNISTAS.

Os INTEGRALISTAS (defensores da vertente nazi-fascista aos moldes nacionais) apontavam para os modelos alemães e italianos de construção da nacionalidade com manifestações histéricas de adesão incondicional ao Estado.
Os oportunistas e enquadrados compuseram a ALIANÇA NACIONAL LIBERTADORA, via de regra ocuparam os melhores postos no governo, mantendo-se quase sempre subservientes e alinhados à política varguista.
Esses dois primeiros grupos, plenamente enquadrados na política nacional-fascista de Getúlio Vargas, que nos últimos momentos da Revolução de 30 soube se fardar e aproveitar o momento tornando-se o líder do golpe, dada a ingenuidade dos tenentes. 
Capitão Carlos Prestes
O terceiro grupo foi composto pelos militares socialistas e comunistas, os quais não conseguiram ecoar suas propostas no governo Vargas que, até 1932, postergou as reformas constitucionais, motivando inclusive a Revolução Constitucionalista de 1932, e que em 1937 foi surpreendido com o Golpe do Estado-Novo, forçando boa parte dessas lideranças militares a buscar o exílio.
Nesse percurso, centrando a análise na Polícia Militar do Pará, uma pergunta é oportuna: onde estava a PM paraense nesse contexto?
A tradição conta que desde o seu nascimento, em 1818, o Corpo de Polícia do Pará se erigiu dentro da "vocação legalista" senão vejamos.
Criada pelo Conde de Vila-Flor, destinou-se a manter a lei e a ordem, desobrigando as tropas de 1ª Linha ao exercício do policiamento, tendo à frente da polícia o Major José Victorino de Amarantes. Consta ainda que lutou contra a Cabanagem, mas há relatos de que o líder Cabano Eduardo Angelim, nas reformas do Corpo de Municipais Permanentes, nome pelo qual a PM ficou conhecida, assumiu o Comando desse corpo. Aí temos uma contradição: seria elemento da ordem ou da desordem? Ao que parece, os descontentamentos com o modelo e a ordem estabelecida juntou parte dos municipais permanentes em torno do líder cabano que, inclusive, comandara pessoalmente em algumas operações de controle da ordem em Belém.
Restaurada a ordem pelo General Andréas, a força policial do Pará teve na Guerra do Paraguai o emprego nos rincões paraguaios, ao lado do Exército nacional, sob a denominação de 1º e 2º Corpo Paraense de Voluntários da Pátria. 
Quando da proclamação da República, a tropa policial do Pará, quase nos termos dos "bestializados" de José Murilo de Carvalho, acatou o movimento que, praticamente, se deu nos bastidores. 
Vargas fardado
Implantada a república, vem a necessidade de se enviar a tropa policial para os sertões de Canudos, em 1897, como forma de consolidar a imagem do Pará como um Estado à altura de São Paulo e Amazonas, os quais, à propósito também enviaram suas tropas aos sertões bahianos. Esse contexto imortalizou a figura do Coronel Fontoura, à época TEN CEL, pela "bravura" e "heroísmo" em ter avançado sobre o arraial, mesmo sem ordem do Comando do Exército para dar aquele combate. 
Interessante que um ato de desobediência imortalizou um coronel da PM e deu-lhe louros de herói. Outra pergunta que se faria: que padrão é esse de heroísmo? A história não relata nem um enfrentamento do Coronel Fontoura com a "marginalidade" daquela época, nas ruas de Belém. Contudo, deixa evidente que foi o Comandante Geral de maior longevidade na função: 11 anos de comando e, ainda, que esteve alinhado à política governamental da época e, por ter confiado nos políticos, amargou na reserva o atraso no soldo e os baixos salários que, numa história não oficial, teria levado o "herói de Canudos" a entregar-se à bebedeira, jogatina e roubado-lhe a saúde mental.
Talvez a "síndrome de Fontoura" seja a forma encontrada por governantes posteriores para atormentar muitos oficiais da PM que não tiveram os seus direitos reconhecidos na reserva ou reforma, sem discriminação de posto ou graduação, em que a ordem do dia é cortar os direitos conquistados no trabalho árduo de policiamento ostensivo. 
Capitão Barata - Interventor federal do Pará
Mas a PM continuou defendendo a ordem e o Estado e, no movimento tenentista, reprimiu duramente os tenentes do Exército nas ruas de Belém nos anos de 1820 à 1930, tendo inclusive prendido por algumas vezes o Tenente Joaquim de Magalhães Cardoso Barata, futuro interventor federal. Outra atuação repressiva da PM contra os inconfidentes tenentistas, num duro confronto, ceifou a vida do Capitão do Exército Assis de Vasconcelos, e do lado da PM a do Tenente PM Luiz Rodrigues Ferreira da Silva, na rua que após a vitória da Revolução de 30, recebeu o nome do Capitão do Exército.
Uma vez imposta a nova ordem com a Revolução de 30, foi extinta a PM, por não atender as necessidades governamentais. Esse foi o soldo pago pela manutenção da ordem pública. Felizmente, as forças policiais acostumadas à repressão contra as desordens dos tenentes foram acionadas pelo próprio Magalhães Barata para conter a mobilização da Guarda Civil rebelada que contava com apoio de estudantes.
Chico Buarque de Holanda, em Geni e o Zepelim, sintetiza bem como uma instituição pode ser tratada ao longo da história. Ora serve aos interesses e é bem tratada, ora merece levar pedrada e ser xingada.  

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Ontem Tenente-Coronel PM assumiu o comando da Polícia Militar

O Tenente Coronel PM Raimundo de Oliveira Coutinho assumiu o comando geral da PMPA no dia de ontem.
O citado oficial, em 23 jan 1917, tornou-se o oficial mais antigo que permaneceu no serviço ativo desde o dia 27 dez 1916, data em que iniciou a revolta da Polícia Militar, em Belém, que tomou conta dos 1º e 2° BPM, além do Esquadrão de Cavalaria.
A revolta tinha por objetivo empossar Lauro Sodré no governo do Estado, que obtivera maioria dos votos, mas que teria sido vítima de diversos crimes eleitorais que davam, em consequência disso, a vitória ao candidato do governo, Silva Rosado, apoiado pelo governador Enéas Martins.
Como Lauro Sodré gozava de simpatia entre os policiais militares que passavam por situações difíceis para a manutenção da força policial, inclusive, por estarem mal fardados, como lembra o próprio Lauro Sodré:
"A penúria em que se achava o Estado era de tal monta que a Força Pública não tinha o fardamento adequado para prestar as honras de estilo. O Coronel José Júlio de Andrade é que emprestou, muito às pressas, a quantia necessária para fardar aquela força..." (SODRÉ, 1970: 117)
Vinte e oito dias de revolta se passaram até que o Ten Cel PM Raimundo Oliveira Coutinho assumiu o comando da corporação e, conforme o relato do Coronel PM Orvácio Marreca, o confronto entre as forças policiais leais ao governo de Enéas Martins e as forças policiais leais a Lauro Sodré foram de enorme crueldade.
O comando do Ten Cel PM Raimundo Oliveira Coutinho durou apenas quatro dias, passando o comando ao Coronel PM João Batista Cearense Cileno.

Referências:
SODRÉ, Emmanuel. Lauro Sodré na História da República. Rio de Janeiro: GB, 1970.
MARRECA, Orvácio Deolindo da Cunha. Histórico da Polícia Militar do Pará: desde o seu início (1820) até 31 de dezembro de 1939. Belém: Instituto Lauro Sodré, 1940.
Crédito da Imagem de Lauro Sodré:
Wikipédia, disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Lauro_Sodr%C3%A9>, acessado em 20/01/2017.
Pesquisa:
Capitão PM M.Sc. Ronaldo Braga Charlet (Diretoria de Ensino e Instrução)
Bacharel e Licenciado em História - UFPA

Aconteceu Hoje na PMPA: 24 DE JANEIRO

Foram indicados para frequentarem o CURSO INTERNACIONAL DE APERFEIÇOAMENTO DE INSTRUTORES POLICIAIS EM DIREITOS HUMANOS E PRÁTICA POLICIAL, no período de 05 a 16 FEV 01, na APM do Barro Branco da PMESP, em São Paulo/SP, os Oficiais PM abaixo:


CAP QOCPM RG 15568 CRISTIANE DO SOCORRO LOUREIRO LIMA, do QCG 
CAP QOPM RG 18347 JOSÉ EDUARDO DE OLIVEIRA PIMENTEL, do CFAP.

Fonte: Ajudância Geral. BG Nº 017 – 24 JANEIRO 2001


sábado, 21 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PMPA: 21 de janeiro.

O Comandante Geral, Coronel EB Douglas Farias de Souza, por meio do BG Nº 014, de 21 de janeiro de 1975, determinou que fossem inspecionados para o fim de matrícula na EsFO, os candidatos seguintes:
Wilson Carlos Barbosa Martins;
Silvano Costa Rodrigues;
Eimar Corrêa dos Santos;
Emanuel Lopes de Lima;
Jorge Dorival Torres Benígno; e,
Cláudio Guerreiro de Castro.

No mesmo dia, o Major PM Francisco Ribeiro Machado, assinou o Livro de Apresentações de Oficiais, por haver no dia 10/01/1975, assumido o Comando do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP).

Fonte: Ajudância Geral. Boletim Geral da PMPA.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 20 de janeiro

Foi nomeado para ser Sub Comandante da Polícia Militar o CEL QOPM RG 15652 JOSÉ ANTÔNIO DE ALMENDRA FILHO, conforme o DECRETO Nº 3.301, DE 19 DE JANEIRO DE 1999, assinado pelo Governador do Estado do Pará ALMIR GABRIEL, publicado no Diário Oficial nº 28.886, de 20 de janeiro de 1999.

Fonte: AjG. Boletim Geral Nº 013, de 20/01/1999, pág. 04.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PMPA: 19 DE JANEIRO

Imagem 01: sede do CPR-III, em Castanhal
Há 23 anos exatamente, no dia 19 de janeiro de 1994, através da Portaria Nº 003-A/94-GABCMDO, o Coronel PM Cleto José Bastos da Fonseca, então Comandante Geral da corporação, resolveu instalar provisoriamente em Capanema-PA, o Comando de Policiamento Regional III (CPR III), tendo como seu primeiro Comandante o TEN CEL PM CÉSAR AUGUSTO PENA MONTEIRO.

Posteriormente, o CPR-III teve sua sede transferida para Castanhal e, ainda, teve sua área desmembrada nascendo assim os CPR-VII (Capanema) e CPR-VI (Paragominas).

Há que se registrar ainda que a área do CPR-III abrangeu também o arquipélago do Marajó, que outrora era pertencente ao Comando de Policiamento do Interior (CPI).

Imagem 02: sede da 9ª CIPM
Foram comandantes do CPR-III, entre outros, os Coronéis PM MUINHOS, COELHO, RONALDO, DÁRIO, LUIZ RUFFEIL, CALDERARO, MAURO PINHEIRO, e SARAIVA (atual Chefe do EMG/PMPA).

A área de abrangência atual do CPR-III é coberta por 2 Batalhões e 3 Companhias Independentes.

Imagem 03: Equipe de PMs da 14ª CIPM
Os Batalhões: 12º BPM/SANTA ISABEL, comandado pelo TEN CEL PM GARCIA; e, 5º BPM/CASTANHAL, sob o comando do TEN CEL PM QUEIROZ. É digno de nota a imponência da sede do 5º BPM, localizado na BR-316, em Castanhal, uma das unidades mais antigas da corporação e que durante muito tempo cobriu as áreas do nordeste do Pará com inúmeros destacamentos PM, vindo a fazer fronteira com o 4º BPM/Marabá e fronteira com o Estado do Maranhão. O 5º BPM também prestava serviços de Guarda Penitenciária na Penitenciária "Fernando Guilhon", em Americano, e na Colônia Agrícola "Heleno Fragoso", antecedendo a criação do Batalhão de Polícia Ostensiva Penitenciária - BPOP.


Imagem 04: PPD Colônia do Prata / 5º BPM
As Companhias: 3ª  CIPM/VIGIA, tendo como Comandante o Major PM REBÊLO; 9ª CIPM/SÃO MIGUEL DO GUAMÁ, comandada pelo Major PM GALHARDO; e, fechando a malha de segurança está a 14ª CIPM/TOMÉ-AÇÚ.

O Comando do CPR-III atualmente é exercido pelo CEL PM MÁRIO ANTÔNIO MUNIZ MARQUES FILHO e seu staff é composto pelos seguintes Oficiais PM: Sub Cmt do CPR: TEN CEL PM VIANA, P/1: MAJ PM PONTES, P/2 CAP PM WANESSA, P/3: MAJ PM PINHEIRO, e P/4 MAJ PM TADAIESKY.

Fonte
DANTAS, Romeu T. Coletânea de Legislação da PM. Belém: Cejup, 1997. Volume 2. Pág. 331.
Imagem 01: Acervo de Imagens do CPR/III
Imagem 02: Agência Pará
Imagem 03: Acervo de Imagens da 14ª CIPM
Informações prestadas pelo Chefe do P/3 do CPR: Major PM Pinheiro.
Imagem 04: Disponível em: http://www.pm.pa.gov.br/sites/default/files/images/IMG-20150930-WA0002.jpg

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PMPA: 18 de Janeiro

Em 18 de janeiro de 1994 dois acontecimentos marcaram a história da PM:

Pela Portaria nº 001/94-GabCmdo, o Comandante Geral, Cel Cleto José Bastos da Fonseca, muda a denominação do CPC - Comando de Policiamento da Capital para CPM - Comando de Policiamento Metropolitano, subordinando ao mesmo todas as OPMs da Região Metropolitana.

Pela Portaria nº 002/94-GabCmdo, o mesmo Comandante Geral instala provisoriamente em Monte Alegre o 18º BPM, subordinando-o ao CPR-I (Santarém), tendo o 18º BPM como áreas de sua responsabilidade: Almeirim, Monte Dourado, Gurupá, Porto de Moz, Prainha, Oriximiná, Juruti, Terra Santa e Faro.

Fonte: DANTAS, Romeu Teixeira. Coletânea de Legislação da PM. Belém: Cejup, 1997. Volume 2.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 17 janeiro

Em 1936, no Governo de Getúlio Vargas, presidente da República advindo da Revolução de 30, foram reorganizadas as Polícias Militares, através da Lei nº 192, de 17/01/1936, definindo sua competência, armamento, hierarquia, vinculação ao Exército, estabelecendo postos e graduações, e normatizando procedimentos.
Tal lei ainda não foi revogada e constitui-se numa das bases de sustentação do militarismo nas Polícias Militares, dentre outros diplomas jurídicos.

Referência
DANTAS, Romeu T. Coletânea de Legislação da PM.  Volume 1. Belém: Cejup, 1997. pág. 21-22.

Consulta detalhada sobre a lei pode ser feita no site da Câmara dos Deputados. Para o acesso, clique AQUI.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ACONTECEU HOJE NA PMPA: 16 JAN 1975

O Boletim Geral nº 11, de 16 de janeiro de 1975, tratou da ordem de inspeção de saúde para dois Soldados da Cia PRP, Benedito Geraldo Barbosa e Fabiano Maciel da Silva, para fins de engajamento.
O mesmo boletim regulou a situação do Aluno CFS PM Moacir Bentes Gomes, que ficou como "encostado para efeito do Curso de Formação de Sargentos". Atualmente não o sabemos o que vem a ser esse encostamento,

Fonte: Boletins Gerais da PMPA

domingo, 15 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PM do Pará: 15 de Janeiro

No dia de hoje, em 1975, o Boletim Geral nº 10, de 15 de janeiro, noticiou a promoção post mortem à graduação de cabo PM do Soldado PM Vicente Monteiro Soares, assassinado no dia 29 de novembro de 1970, no município de Bonito, evidenciando-se que o militar estadual foi morto em defesa da ordem pública.

Fonte: BG Nº 10, de 15/01/1975.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 14 JAN 1975

Foi divulgado no BG nº 09, de 14 de janeiro de 1975, o resultado do processo seletivo e a respectiva matrícula no Curso de Formação de Sargentos PM, contando com 36 matriculados, conforme a listagem divulgada, que transcrevemos abaixo:
1. Carlos Alberto Nascimento de Oliveira
2. Sérgio Kleber Monteiro de Aragão
3. Raimundo de Oliveira Couto
4. Benedito Walmir Barbosa da Costa
5. Jorge da Cruz dos Santos
6. Edmundo Tadeu Lucas Silva
7. Antônio Raimundo de Leite da Silva
8. Joacir Pereira da Fonseca
9. Carlos Alberto de Miranda Brito
10. José Luiz Miranda Bahia
11. José Julião Pinheiro
12. Aluizio da Silva Benjamim
13. Raimundo Teixeira Lima
14. Gerson Abelardo Favacho
15. Alírio Trindade da Silva Benjamim
16. Arnaldo Dias de Souza
17. Jorge Lopes Borges Teixeira
18. Raimundo Jorge Tavares Ampuero,
19. José Gil de Carvalho Filho
20. Severino Fantim
21. Regino Santos Oliveira Filho
22. Coracy Pinheiro Magalhães
23. Pedro de Jesus Palheta
24. Emanuel Barreiros de Azevedo
25. Alberto Fernandes Pereira Júnior
26. José Maria Quirino da Silva
27. Ivan das Graças Pinto Campos
28. Ademir Alexandre Vieira da Silva
29. José Augusto Padilha da Silva
30. Joseni Medeiros de Araújo
31. Roberto da Silva Santos
32. Antônio Mariano Leal Neto
33. Raimundo Nonato Pimentel Penna
34. Antônio do Nascimento Saraiva, Izidoro Corrêa de Azevedo
35. Mario Rubens Corrêa de Azevedo, e
36. Moacir Bentes Gomes.

Fonte: Boletins Gerais da PMPA. 

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PM do Pará: 13 janeiro

No dia 13 de janeiro de 1978 foi fundada a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Pará, com a denominação de Clube dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Pará, tendo se constituído numa entidade civil e tendo como associados os Cabos e Soldados da PM e do CBM.
A entidade contou com a aprovação da IGPM, foi declarada de utilidade pública pela Lei nº 5017, de 16/12/1981 e foi declarada entidade consignatária pelo Decreto nº 1436, de 17/02/1981.

Fonte:
DANTAS, Romeu T. Coletânea de Legislação da PM. Belém: Cejup, 1997. Voilume 2. Pág. 391-393.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PM do Pará: 12/01/1983

No dia de hoje, em 1983, foi assinado o Decreto-Lei nº 2.010, que alterou o Decreto-Lei nº 667, de 02 de julho de 1969, que reorganizou as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal.

Fonte: DANTAS, Romeu Texeira. Coletânea de Legislação da PM. Vol 1. Belém: Cejup, 1998. Página. 164-166.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PMPA: 11/01/1999

Dentro da nova estratégia de policiamento ostensivo para a Região Metropolitana de Belém foram criadas as Zonas de Policiamento - ZPol, área geográfica de atribuição e responsabilidade de uma companhia PM, correspondendo a mesma área de uma Seccional Urbana de Polícia Civil, a partir do final de 1998.
Imagem 01: sede da 6ª Zpol, antiga 1ª Zpol.
Em 06/01/1999, o Comandante Geral da PMPA, Coronel PM Fabiano José Diniz Lopes, fez republicar a Portaria Nº 104, de 17 de dezembro de 1998, que atribuiu o comando das Zpol aos subcomandantes das Unidades PM da Região Metropolitana de Belém, ficando desta forma a organização e comando das ZPol:

1ª Zpol – S.U do Comércio – Sub Comandante do 2º BPM.
2ª Zpol – S.U da Cremação – Sub Comandante do BPTRAN.
3ª Zpol – S.U de São Braz – Sub Comandante da 1ª CIPM (antiga CIRP, extinta).
4ª Zpol – S.U da Sacramenta – Sub Comandante da CIA PFEM
5ª Zpol – S.U da Marambaia – Sub Comandante do 1º BPM
6ª Zpol – S.U da Cidade Nova – Sub Comandante da 2ª CIPM.
7ª Zpol – S.U do PAAR – Sub Comandante do 6º BPM.
8ª Zpol – S.U de Icoaraci – Sub Comandante da 4ª CIPM.
Esclareceu, ao final do documento, que a republicação deveu-se por incorreções na publicação anterior do BG nº 242, de 24 de dezembro de 1999.
Imagem 02: 2ª Zpol, antiga 3ª Zpol


Fonte: POLÍCIA MILITAR DO PARÁ. BOLETIM GERAL Nº 006 DE 11 DE JANEIRO DE 1999, página 09.
Imagem 1: https://camerathiago.wordpress.com/2014/12/19/principio-de-incendio-atinge-seccional-do-comercio/
Imagem 2: https://www.google.com/search?q=7%C2%AA+ZPOL&espv=2&biw=1440&bih=794&site=webhp&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiL15GMnanRAhUNlpAKHQR4BN4Q_AUIBigB#tbm=isch&q=SECCIONAL+DE+S%C3%83O+BRAZ&imgrc=_TlCCBPts9seBM%3A

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 10/01/2005

Imagem 01: Soldado PM Marciane - PMPA na Força Nacional
Em 10/01/2005, o Boletim Geral Nº 006, de 10/01/2005, transcreveu literalmente o teor do DECRETO Nº 5.289, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2004, que disciplinou a organização e o funcionamento da administração pública federal, para desenvolvimento do programa de cooperação federativa denominado Força Nacional de Segurança Pública, e deu outras providências, conforme a publicação do DOU Nº 229, seção 1, de 30 de novembro de 2004.

A Polícia Militar do Pará participa do programa já tendo enviado diversos policiais militares a serviço da Força Nacional, entre homens e mulheres, sendo muito elogiado o serviço de nossos quadros.

Fonte: Boletim Geral Nº 006, de 10/01/2005, disponível em: <http://www.pm.pa.gov.br/sites/default/files/files/2005/BG_006_DE_10_JAN_2005.pdf>, acessado em 04/01/2016; 18h00.
Imagem: Facebook (contatos pessoais).

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 09/01/2002

No dia 09/01/2002, no Aditamento ao BG nº 006, de 09/01/2002, o Comando da Corporação baixou as DIRETRIZES DE AÇÕES FUNCIONAIS DO COMANDO DE COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL, que tinham como objetivos: Regular e uniformizar procedimentos na tomada de decisão do Comandante do Comando de Cooperação Interinstitucional; Proporcionar orientações aos Comandantes das Organizações Policiais Militares, subordinadas ao Comando de Cooperação Interinstitucional, nos assuntos inerentes à cooperação entre a Polícia Militar do Pará e Entidades Públicas e Privadas; e Criar uma doutrina administrativa para o Comando de Cooperação Interinstitucional. 
Imagem 01: organograma do CCIN
À época, era Comandante Geral da PMPA o Coronel PM Mauro Luiz Calandrini Fernandes.
O CCIN foi posteriormente substituído pelo Comando de Policiamento Especializado, que atualmente tem por Comandante o Coronel PM Arthur Rodrigues de Moraes, e em seu comando encontram-se todas as unidades constantes do organograma, acrescido do Batalhão de Policiamento de Eventos, criado em 2014.

Fonte: Aditamento ao BG Nº 006, de 09/01/2002, páginas 2-23. Disponível em: <http://www.pm.pa.gov.br/sites/default/files/files/2002/ADIT_BG_006_DE_09_JAN_2002.pdf> Acesso em: 04 jan. 2017.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 08/01/1965

No dia 08/01/1965, assinaram o Livro de Apresentação de Oficiais:

1º Ten PM Eladir Nogueira Lima - por ter sido transferido da Cia de Guardas para o BP e terminado de passar a carga da Guarda Civil a seu atual comandante;
1º Ten PM Severino Barbosa da Silva - por ter sido promovido ao posto atual e ter entrado em gozo de licença especial;
2º Ten PM Francisco Ribeiro Machado - por ter sido transferido do BP para o CG.

Fonte: BG Nº 06, de 12/01/1965.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Aconteceu hoje na PM do Pará: 07/01/1965

Imagem 01: Entrada lateral da Santa Casa de Misericórdia do Pará
No dia 07/01/1965, o Boletim Geral nº 03 registrou que, através do Ofício nº 194/64, o Provedor da Santa Casa de Misericórdia comunicou os horários de visitas para os policiais militares que se encontravam internados na Enfermaria Militar que funcionava naquele hospital, nos termos seguintes:
Das 14h00 às 20h00, todos os dias.
E em quaisquer horários para os casos especiais (doenças graves).

Fonte: Polícia Militar do Pará. BG Nº 03, de 07/01/1965, pág. 07.
Imagem 01: <http://www.ioepa.com.br/portal/noticias.aspx?id=214>

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Aconteceu na PMPA: 06/01/2000

Imagem 01: Frente do 6º BPM, em Ananindeua-PA.
No dia 06/01/2000, foi instalado na frente do 6º BPM, na BR 316, ao lado do Posto de Fiscalização da SEFA, um telefone público de prefixo 245-9783, o qual veio a servir à comunidade e ao público do Batalhão. Tal fato foi informado pelo Comandante do 6º BPM, Ten Cel Henrique, ao Comando Geral da PMPA, através do Ofício nº 020/6ºBPM, que fez publicar tal fato em Boletim Geral da corporação.
É digno de nota que desde a década de 1980, devido ao vandalismo a que eram vítimas os telefones públicos (orelhões), a empresa Telepará fazia a instalação de tais equipamentos próximo aos quartéis e PM-Box, evitando assim prejuízos materiais e melhorando o atendimento à população mais carente que não dispunha de telefones fixos residenciais.

Fonte: BG nº 008 – 12 JAN 2000. Disponível em: <http://www.pm.pa.gov.br/?q=bg_2000>
Crédito da Imagem: <http://www.diarioonline.com.br/imagens-interna.php?galeria=2151> Acesso em: 06 jan. 2017.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Aconteceu na Polícia Militar do Pará: 05 jan 1965

O dia 05 de janeiro de 1965, uma terça-feira, foi na PM do Pará ponto facultativo, conforme registrou o Aditamento ao Boletim Geral Nº 02, datado de 05/01/1965, e assinou o CEL PM EVILÁCIO PEREIRA, Comandante Geral.
Entre outras alterações havidas nos quartéis da PM acerca de substituições de seus comandantes, registramos que o 2º TEN PM FRANCISCO RIBEIRO MACHADO, que era Ajudante de Ordens, passou a responder pelo Comando da CCG, no impedimento do 1º TEN PM SIMEÃO SILVA, comandante da citada Companhia, tudo constante do BG Nº 02, de 05/01/1965. 
É digno de nota que, posteriormente, tanto SIMEÃO SILVA quanto FRANCISCO RIBEIRO MACHADO foram Comandantes Gerais da PMPA. Este último, inclusive, escreveu diversos livros acerca da História institucional.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Aconteceu Hoje na PM do Pará: 04 jan 1965

Em 04/01/1965, no Boletim Geral nº 001, foi transcrito do Diário Oficial do Estado, nº 20.466, a Lei nº 3099, de 13 de novembro de 1964, fixando o efetivo da PM do Pará em 998 homens, distribuídos em 69 Oficiais e 929 praças. O oficialato correspondia a 7% do efetivo total da corporação.
Abaixo, trazemos os anexos 1 e 2, nos quais constam a previsão de efetivo por unidade existente àquela época.

FONTE:
MUSEU DA POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
BOLETIM GERAL Nº 001, DE 04 JAN 1965, SEGUNDA-FEIRA, PÁG. 01

Effectivo de officiaes da  Brigada Militar do Estado, em 1908: Estado-Maior, Corpo Auxiliar (arma de Artilharia e Corpo de Cavallaria),...